Crítica: [REC] (2007, de Jaume Balagueró e Paco Plaza)

A película espanhola [REC], de 2007, dirigida por Jaume Balagueró e Paco Plaza e protagonizada por Manuela Velasco, foi feita com cerca de apenas dois milhões de dólares, o que não restringiu o sucesso da obra. O filme baseia-se na rotina de uma repórter que acompanha o cotidiano de um quartel de bombeiros em Barcelona. No entanto, a reportagem depara-se com um cenário de caos sanitário dentro de um prédio, o que representa, para o espectador, mais um filme de zumbi, mas com estilo peculiar, que justifica o baixo valor de produção.

Primeiramente, a decisão dos diretores de entregar um “falso documentário” foi muito acertada. Mais conhecido como found footage, este subgênero do horror consegue, por meio do realismo, significar visceralidade na tela, tornando-se uma ótima opção para o terror. Vale ressaltar que a grande obra a inspirar [REC] tenha sido A Bruxa de Blair, que popularizou o found footage no fim dos anos 90. Entretanto, essa alternativa carrega o dilema de conseguir justificar a gravação como algo que constitui a dimensão narrativa da obra, pois muitas vezes não é lógico, principalmente no gênero do terror, continuar a gravar cenas tão assustadoras.

Diegese significa o tempo e o espaço de uma narrativa e o que sustenta as obras found footage é a câmera diegética, um aparato técnico incluído na dimensão do filme, portanto, ela faz parte da estória. É válido mencionar que a câmera diegética limita, tecnicamente, a direção, uma vez que as ferramentas da linguagem cinematográfica são escassas. No entanto, em [REC], uma dupla de repórteres profissionais retrata os acontecimentos, assim, o roteiro justifica alguns ganhos estilísticos à obra referentes a melhores qualidades tanto de filmagem quanto de captação de áudio. Além disso, a arquitetura do prédio, onde os conflitos ocorrem, traz qualidade pra obra, já que, constituída de corredores longos e estreitos, não obriga a câmera diegética de [REC] a fazer movimentos laterais, tornando as cenas mais lúcidas e confortáveis para o espectador.

Em contraposição, o artifício de ter a câmera como objeto da diegese traz alguns pontos positivos. Consoante a isso, o teórico de cinema Bill Nichols disse no seu livro Introdução ao Documentário: “A presença da câmera na cena atesta sua presença no mundo histórico. Isso confirma a sensação de comprometimento, ou engajamento, com o imediato, o íntimo, o pessoal, no momento em que ele ocorre”. Dessa forma, [REC] consegue tornar o seu horror mais crível e visceral.

Um dos principais atributos da obra em questão é seu interesse, embora superficial, de tratar assuntos como o preço que a mídia está disposta a pagar por um “furo” e a xenofobia contra asiáticos. Outrossim, a película, involuntariamente, consegue discutir pontos que vieram à tona após o início da pandemia de Covid-19. Logo, apesar da simplificação temática dentro da obra, o filme destaca-se em pontos específicos e na sua técnica.

Por outro lado, o desenvolvimento das personagens é problemático em certos momentos, já que alguns parecem ser desprovidos de inteligência. É certo que os filmes de terror adoram personagens não muito espertos, pois isso facilita algumas convenções de gênero e se traduz em resoluções simplificadas para os conflitos do filme. Não só desse clichê [REC] se sustenta, uma vez que também se utiliza do jump scare, desse modo, alguns sustos repentinos funcionam, mas outros são telegrafados. Enfim, na sua última cena, a película tenta justificar o aparecimento dos zumbis, mas com um elemento sequer explorado antes, recurso este que fragiliza a conclusão do longa.

A obra de Jaume Balagueró e Paco Plaza tem sua importância, pois foi um avanço técnico para o found footage. Nem de longe [REC] parece um ótimo filme, mas é operante e inventivo. Por fim, para compreender o valor da obra e seu virtuosismo técnico, o artigo acadêmico “Elogio da imperfeição: [Rec] e a câmera diegética em falsos filmes de found footage é um ótimo aperitivo “pós-crédito”.

Título Original: [REC].

Direção: Jaume Balagueró e Paco Plaza.

Duração: 78 minutos.

Elenco: Manuela Velasco, David Vert, Ferran Terraza, Javier Botet, Manuel Bronchud

Sinopse: Uma repórter de televisão e seu cinegrafista seguem um grupo de bombeiros da cidade de Barcelona, na Espanha, enquanto fazem um plantão noturno para um programa local. A repórter e o câmera acompanham os bombeiros, que são encaminhados a um condomínio para salvar uma senhora que está supostamente presa em seu apartamento, gritando e deixando os vizinhos assustados, ao entrarem no edifício, todos se deparam com a mulher tendo uma infecção raivosa, enquanto ficam presos dentro do prédio para que a doença não se espalhe. A equipe de reportagem decide então filmar tudo o que acontece no local, enquanto tentam salvar suas vidas.

Trailer:

Gosta do filme? Curtiu nossa matéria?

1 thought on “Crítica: [REC] (2007, de Jaume Balagueró e Paco Plaza)”

Deixe uma resposta