Crítica: Catarina – A Lenda da Loira do Banheiro (2014, de Marcos Otero)



Com
pouca divulgação em massa, o longa ‘Catarina – A Lenda da Loira do Banheiro’
tem a direção de Marcos Otero e conta a história que aterrorizou
gerações. Não sei vocês, mas eu morria de medo (pra falar a verdade ainda tenho
pavor) dessa lenda urbana. Por mais que seja apenas um mito, sempre me dá
aquela sensação de medo, principalmente quando se acaba de assistir e precisa ir ao
banheiro. Sério, não nem nada pior do que ficar se lembrando do filme. Portanto se
você for estudante ou sensível a sustos, é desaconselhável ver sozinho de noite e
com a luz apagada.

A trama gira em
torno de Alice, mulher que teve um passado conturbado, pois sofreu um trauma
psicológico aos 12 anos de idade e tempos depois suspeita de que esse
acontecimento tenha sido causado pela aparição da loira do banheiro. Decidida a
ir atrás dos fatos, resolve fazer um documentário e chama seus amigos Ramon e
Gustavo, também estudantes de cinema. Nessa busca incansável, eles acabam
descobrindo pistas e fatos históricos surpreendentes da real existência de um
espírito chamado Maria Augusta. Durante a invasão de uma escola em busca de
provas, eles irão viver os piores dias de suas vidas. Registros revelados
somente com a ajuda da família de um dos envolvidos que cedeu as várias horas
de material gravado.



O roteiro é bem simples e tem uma premissa curiosa:
apresentar um conto nunca antes adaptado para as telas do cinema. Por ser
nacional, felizmente ele não possui palavrões nem mesmo apelo sexual (algo raro
em filmes brasileiros) e foca mais na parte do drama e da tensão psicológica.
Por conta de várias sequências com muitos diálogos, o jogo de câmeras pode não
agradar a todos, mas não é algo totalmente dispensável. Compreendamos que as partes
paradas também são necessárias, mesmo porque a chave para o mistério que
envolve a protagonista principal e a loira do banheiro não se resume apenas em
jump-scares, mas também em explicações de todas as revelações ocultas.


No elenco está Huli Balász como Alice, jovem
que a todo custo quer descobrir a verdade, ainda que arrisque sua própria vida.
A atriz tem um bom desempenho e rende vários momentos tensos ao longo da fita; é a melhor atuação.

Márcio Guimarães e Vinícius Finocchio
interpretam Ramon
e Gustavo, 
dois amigos de Alice que provam que ser companheiros de verdade,
pois prometem ficar ao lado dela até o fim, não importa o que aconteça. Contamos
ainda com Antonio Carlos Théko como o homem misterioso, senhor de importante
relevância para a trama, pois explica em detalhes todos os acontecimentos que
rondam o local supostamente assombrado. E claro que não poderia deixar de mencionar a
atuação de Flávia Camile encarnando a loira do banheiro; a atriz faz as mesmas “caras e bocas” a película inteira, porém ainda
assim aquele clássico vestido branco (aqui sem os algodões no nariz) e inclusive a séria expressão facial vai meter medo nos menos firmes, principalmente quando não há nenhuma trilha sonora em cena e sim um silêncio
absoluto e perturbador. Quanto a sua duração, ela foi relativamente curta (cerca de 73 minutos) e que
passa “num piscar de olhos”. Ademais, o final “deixa um
gancho” óbvio para uma continuação e o próprio diretor disse que o filme faz
parte de uma trilogia. Além disso, o livro baseado no longa também será
lançado em breve.


Por fim, recomendo aos mais curiosos que desejam saber mais sobre o enredo inédito. Advirto que quando se escolhe conferir qualquer obra do gênero, seja de suspense ou thriller psicológico, depende de cada um conferir se controlando como pode. Muitos possivelmente irão odiar por conta dele ser brasileiro e de um orçamento não tão alto, mas a questão é que o simples fato da franquia ainda não ter acabado já dá um “up” pra que os próximos sejam melhores. E para meu querido leitor, faço a seguinte pergunta: você tem medo desse conto ou acha que tudo não passa de um mito? Penso que fica a seu critério decidir dar uma chance ao longa. Eu dei e não achei uma total perda de tempo.

Nota: 6,5




Direção: Marcos Otero


Elenco: Antonio Carlos Théko, Flávia Camile, Huli Balász, Márcio Guimarães, Vinicius Finocchio.


Sinopse: Aos 12 anos de idade, Alice sofre um trauma psicológico e anos depois, suspeita de que esse acontecimento tenha sido causado pela aparição da loira do banheiro. Decidida a ir atrás dos fatos, resolve fazer um documentário e chama seus amigos Ramon e Gustavo também estudantes de cinema. Nessa busca incansável, eles acabam descobrindo pistas e fatos históricos surpreendentes da real existência de um espírito chamado Maria Augusta. Durante a invasão de uma escola em busca de provas, eles irão viver os piores dias de suas vidas. Registros somente revelados com a ajuda da família de um dos envolvidos que cedeu as várias horas de material gravado.


Trailer:

BÔNUS:


Filme completo disponível abaixo:

Mais imagens:

E aí, o que achou do filme? Deixe seu comentário abaixo!

Deixe uma resposta