Crítica: Zootopia: Essa Cidade É o Bicho (2016, Byron Howard Rich Moore)



Mais
uma vez a Walt Disney consegue trazer uma história contemporânea e divertida,
com vários aspectos cotidianos que vivemos nos dias de hoje. Dessa vez, em Zootopia:
Essa Cidade É o Bicho
, assistimos uma história que começa falando sobre seguir os próprios sonhos mesmo quando todos são contrários a eles e conforme a
história desenvolve, mesmo sendo um filme infantil, a mensagem que ele passa
pode ser muito bem um tapa na cara.

Somos
levados a conhecer uma cidade grande, com prédios enormes, empresários,
violência, musicalidade, pessoas querendo passar a perna em outras e a
mecanização do dia a dia, ir para casa e da casa para o serviço. E claro uma
grande diversidade de animais e costumes. Mas muita coisa chama atenção nessa
animação. A personagem principal, a coelha Judy Hoops (
Ginnifer
Goodwi
n
), uma mulher que vive em uma cidade
do interior, sendo considerada pequena e frágil, querendo trabalhar num meio de
maioria masculina, pois seu sonho é ser policial na cidade grande e vê seus
desejos serem reprimidos desde criança, uma vez que toda sua família trabalha
no ramo de cenouras em uma fazenda. Mesmo assim ela se torna a única da família
a estudar e quebrar o ciclo. Vimos os animais do campo migrarem para a cidade
grande em busca de uma chance de melhorar de vida. Mas quando chega na cidade,
percebe que nem tudo é como ela deseja, seu emprego não é bem o que ela espera
e seu chefe não parece se importar muito. 




Vimos
também o âmago político dessa sociedade, onde o “mais forte” parece sempre
estar em cargos melhores e maiores, como o Prefeito
Lionheart
(J.K. Simmons) um leão que manda e desmanda, sendo sem educação com sua vice-prefeita Assistente Bellwether (Jenny
Slate), uma ovelha, chegando ao ponto de humilhá-la diversas vezes. 


O pano de fundo é justamente o fato das feras ou
predadores deixarem seu gene para trás e viver em harmonia com aqueles que no
passado, seriam sua caça. Mas em muitas cenas, ainda somos
lembrados que mesmo você lutando contra, o gene está em você, podendo vir à
tona a qualquer momento. Soa estranho isso? Para mim nem um pouco. Pois o
conflito central se dá ao fato de algumas dessas feras voltarem ao seu estado
natural e passarem a ter um comportamento selvagem, inaceitável pela sociedade.
No fim, qualquer um que se pareça com uma, mesmo não sendo perigoso, acaba
sofrendo as consequências. Vimos ai uma luta sobre o que você é e o que você
deve ser de acordo com a cultura que vive. É falado claramente sobre
preconceito, biologia, sobre “estar no DNA” isso ou aquilo e a intolerância, implícita
em muitas situações.




É uma bela reflexão da sociedade em que vivemos e sobre
aquilo que fazemos nela, para melhor ou pior. As atitudes que tomamos, as opiniões
que damos sem pensar ou pior ainda, pensando. E todas as consequências que
podem sair daí. E mesmo com toda essa controvérsia entre os personagens e a
sociedade, a cidade em si é muito alegre e colorida, como se para contrastar
com a história. A determinação dos personagens em corrigir os erros, em tentar
juntar novamente aquilo que está quebrado é bem intensa. 

Outro ponto forte desse filme são os Easter Eggs
sensacionais! Não pisque, porque você pode perder, só para dar uma dica, são
16. E sim, eu pesquisei na internet alguns.

O fato de colocarem animais em lugares de humanos serviu
apenas para humanizá-los e suavizar para as crianças aquilo que de fato existe.
Uma história forte, com situações reflexivas, divertidas e muito atuais. 





Direção: Byron Howard,Rich Moore


Elenco: Judy Hopps (Ginnifer Goodwin), Nick Wilde (Jason Bateman), Chefe Bogo (Idris Elba), Assistente Bellwether (Jenny Slate),  Benjamin Clawhauser (Nate Torrence),  Bonnie Hopps (Bonnie Hunt), Yax the Yak (Tommy Chong), Prefeito Lionheart (J. K. Simmons)

Sinopse: Zootopia é uma cidade diferente de tudo o que você já viu. Formada por “bairros-habitat”, como a elegante Praça Sahara e a gelada Tundralândia, essa metrópole abriga uma grande diversidade de animais irreverentes sempre prontos para encarar uma nova e divertida aventura.Quando Judy Hopps chega em Zootopia, ela descobre que ser a primeira coelha da equipe da polícia, formada por animais grandes e fortes, não é nada fácil. Determinada a provar seu valor, ela embarca em uma aventura atrapalhada e bem humorada, ao lado do malandro raposo Nick Wilde para desvendar um grande mistério.



Trailer:


Mais algumas fotos:





Deixe uma resposta