Crítica: A Flor do Meu Segredo

Postado por José Eugênio Guimarães, esta matéria foi escrita por e marca a estreia de João Trettel.

A
Flor do Meu Segredo
 

Dir. Pedro Almodóvar 

Crítica: João Trettel



Almodóvar nos apresenta novamente ao mundo
das mulheres espanholas, que apesar de ser focado a um país o tema é mundial.



A trama gira em
torno de Leo Macias (Marisa Paredes)
uma mulher que está em estado de desespero, por causa do seu casamento, ela não
sabe como está o seu relacionamento. Apesar de Leo ser uma mulher forte e com
atitudes fortes; ela é totalmente vulnerável quando se trata do seu marido.

Ela tem como
amiga Betty (Carme Elias) uma diretora
de filmes institucionais que a auxilia a sair da depressão e da dependência de
Paco (Imanol Arias), mas ela guarda
um segredo de sua amiga. Ao mesmo tempo em que Leo tem como válvula de escape a
escrita. Ela lança vários romances com o nome fictício de “Amanda Gris”, em seus dramas literários ela fala sobre sua vida e
seus amores perdidos, o livro faz um enorme sucesso. Mas há um problema com sua
editora, o contrato diz que ela deveria escrever livros com “Finais felizes”.



Achei uma sacada
legal o que o Almodóvar deixa
implícito no filme dizendo o que é um final feliz? Para mim ele mostra que a
felicidade é relativa, como o conceito de feio e bonito. Gosto das qualidades
dele como diretor por que ele não facilita para o espectador, ele quer passar
os sofrimentos do seu personagem diretamente para você. E um dos maiores
sentimentos que Leo tem é a “dúvida”!
Em todo o momento ela não sabe como está seu casamento, sua carreira, seu
marido. Ela é uma mulher insegura e ansiosa e esse sentimento Almodóvar conseguiu passar bem no filme.

Depois de um
tempo ela consegue um emprego no jornal “El
Pais
” como colunista, seu chefe Angel (Juan
Echanove
) começa a gostar dela e dos seus textos, rapidamente ele
desenvolve um caso de carinho no começo fraternal e mais para frente se torna
físico. 


No filme todo
Leo é cercada de problemas, como sua mãe que já tem certa idade e fica cada vez
mais difícil cuidar dela. Ao meio das idas e vindas de felicidade, Paco retorna
para a vida de Leo, ela prepara um jantar para ele, mas é esnobada. Quando Paco
sai do banho Leo fica excitada pelo seu marido. Mas Paco joga um balde de água
fria quando revela que o casamento não está mais dando certo e que é melhor
eles se separarem. Leo fica sem chão e sua depressão volta com força total, para
piorar Betty conta seu segredo para Leo. Tudo parece ficar de mal a pior quando
algumas reviravoltas acontecem na vida de Leo e ela encontra a felicidade
sozinha, sem depender de ninguém ou será que não? Nesse final que entra o dilema
que Almodóvar cola o filme todo o que
é felicidade?


Em A flor do meu Segredo você percebe
algumas coisas mais pessoais para o diretor, como o uso da temática de altos e baixos
com os sentimentos, o choque de cores fortes e frias que é uma marca registrada
em seus filmes. Também seu conhecimento de cinema que complementa o roteiro, ele
cita filmes como Se meu apartamento
falasse
 do diretor Billy Wilder,
Casablanca de Michael Curtiz entre outros. Essa cinéfila que Almodóvar coloca em seu roteiro só ajuda
a deixar o filme mais empolgante, como se precisasse falar mais, com um tema
tão belo e sensível como esse.



Deixe uma resposta