Crítica: Tempos de Guerra – 1ª Temporada (Ramón Campos, Gema R. Neira, 2016)

 

Tempos de Guerra é uma série espanhola de 2016, que atualmente se encontra disponível para os amantes do gênero, ou seja, séries de drama, romance e de época, no streaming da Netflix.

A série conta a história de um grupo de enfermeiras que vão para os campos de batalha em meio a guerra da Espanha com a África, se deparando com conhecidos, parentes, desafios médicos, drama, suspense e tudo que uma guerra deste porte envolve, além de muito romance para estas mulheres corajosas em meio a soldados feridos na guerra.

Tempos de Guerra apresenta uma trama simples, apesar da presença de seus múltiplos plots, devido a grande quantidade de personagens, de forma que rapidamente nos vemos torcendo mais ou menos para um personagem e questionando quem será o verdadeiro protagonista da série. Um modelo de múltiplos plots e uma dramaticidade que em alguns momentos nos relembram das novelas, apesar da qualidade estética e de produção ser muito distinta.

Com um protagonismo feminino em sua maior parte, a série faz claramente uma forte menção ao feminismo e ao poder da mulher, abordando a importância desta  em meio a uma guerra em que normalmente os protagonistas são os soldados do gênero masculino.

As atrizes de modo geral, interpretam seus papeis com maestria e todas, sem exceção, apresentam algum drama romântico em meio ao caos da guerra, tornado a série de certo forma muito mais voltada para o público feminino, envolvendo os distintos romances de cada uma, suas missões e suas personalidades completamente diferentes, oriundas de um roteiro pensado minuciosamente.

Esta padronização porém, acaba por prejudicar a série, que com 13 episódios de quase uma hora e meia, frente aos clichês típicos e aos dramas sem fim, em determinado momento ela começa a ficar cansativa, apresentando apenas mais do mesmo, em que a história parece se estender mais do que deveria, em direção a uma resolução que o público tão acostumado a romances sente já saber o final. Se tudo que pensamos realmente ocorre, ou se a série dá inúmeras reviravoltas e consegue nos surpreender, cabe a você descobrir.

Por outro lado, as personagens são cativantes, as tramas e problemas pessoais delas nos prendem à tela numa busca de descobrir como resolverão cada vez mais dilemas aparentemente insolucionáveis, tudo isso, em meio aos dramas médicos e complicações logísticas que uma guerra complexa e grande envolve.

Os efeitos especiais e as aulas de medicina básica acabam por prender o espectador a trama, que se vê diretamente frente a cirurgias complexas em personagens amados, o medo da morte que parece estar sempre a um pequeno passo de distância, médicos inexperientes, médicos dedicados indo contra as regras para salvar uma vida, médicos galãs, apaixonados por enfermeiras ou em triângulos amorosos, mentiras, traições, tudo que compõe um bom drama romântico, com um toque de intensidade.

É um verdadeiro caos dramático em sua quantidade de plots, mas não se desespere, os atores carismáticos acabam por nos seduzir, que se torna uma intensa torcida por cada um deles e pela busca do melhor desfecho.


Os efeitos da guerra, os campos de batalha e as logísticas de locação claramente não foram um esforço em vão, nos transportam para a época retratada e nos vemos claramente em meio a espanhóis na África, em uma clara ótima execução da produção da série.

A fotografia e a arte também não ficam de fora deste feito, de modo que ao se tratar de uma série de época, este aspecto é muito importante e tanto os desafios logísticos da época como os figurinos são perfeitos e de acordo com cada um dos personagens, transmitindo sua personalidade e sua classe social desde a primeira vez que aparecem em cena e trazendo assim, um aspecto muito político, com a forma como é retratada a distinção de classes e até mesmo a xenofobia.

Tempos De Guerra está disponível hoje na Netfix, para emocionar e empolgar os corações mais sensíveis. Só não vale cansar no meio do caminho ok?


Título Original: Tiempos de Guerra

Direção: Ramón Campos, Gema R. Neira

Episódios: 13 episódios

Duração: 70 minutos.

Elenco:  Verónica Sánchez, Álex García (II), Alicia Rubio

Sinopse: Espanha, 1921. Um grupo de enfermeiras da elite de Madri viajam para trabalhar como voluntárias no norte da África durante a Guerra do Rife. Entre romances e amizades, essas jovens guerreiras encontram suas próprias vidas enquanto salvam os soldados.
Trailer: 

E você, conhece Tempos de Guerra? Deixe seu like e seu comentário pra gente! 🙂

2 thoughts on “Crítica: Tempos de Guerra – 1ª Temporada (Ramón Campos, Gema R. Neira, 2016)”

  1. Precisei rever todo filme para entender o final.
    Alguém podera me explicar?
    Como terminou o par romântico?
    Grata se compartilharem comigo!

  2. O final da série realmente ficou em aberto, dando opções para uma segunda temporada de nunca veio. Porém, de acordo com entrevistas com a criadora da série, era exatamente o que ela buscava.
    Quanto ao par romântico, imagino que você se refira a Julia e Fidel, apesar de Fidel ter sido enganado por Suzana, ele acaba sempre voltando para Julia, segue declaração da criadora sobre o assunto:
    “Quaisquer que sejam os obstáculos, o destino acaba por uni-los de uma forma ou de outra , já que o amor deles é puro. Seja o que for, eles sempre vão acabar juntos."
    Espero que tenha esclarecido suas dúvidas

Deixe uma resposta