Crítica: Prisioneiras Nunca Mais (2016, de Lisa Arnold)

Baseado em
fatos reais, o longa ‘Prisioneiras Nunca Mais’ foi lançado no Brasil em Janeiro
deste ano pela Graça Filmes. Sem dúvidas entrou para a minha lista de 10 melhores filmes do
gênero gospel! Afinal, trata de um tema triste e real: o tráfico humano.
Tenha em mente que ele carrega a seguinte moral: “a esperança é a última
que morre”.



A história apresenta Aggie
Prejean, uma avó que busca desesperadamente encontrar suas netas Skye e Elle,
que foram raptadas pelo próprio pai. Enquanto os detalhes por trás do desaparecimento
das meninas começam a ser desvendados, descobre-se que elas foram levadas pelo pai para o exterior a fim de serem vendidas como escravas, pra que ele pudesse
liquidar sua dívida com traficantes de drogas. Ao mesmo tempo, Aggie pede ajuda ao tio das
garotas, um filantropo local respeitado e ao filho dele, Wil, que fez parte das
Forças Especiais no passado. Uma caçada mundial é então iniciada e a equipe não vai
parar até ver as meninas voltarem em segurança para casa. Com um enredo cativante, ‘Prisioneiras Nunca Mais’ é certamente um drama feito para nossa sociedade;
para termos noção desse assunto que embora polêmico, é muito realista. Tanto que o trailer deixa claro o quão difícil é acreditar que tal fato esteja tão
próximo de nós. Seja com seu vizinho, um parente distante ou até
mesmo dentro de sua família, as probabilidades são infinitas e as estatísticas
não mentem. Em minha opinião, esta foi uma ótima ideia da diretora: retratar a complicada questão do tráfico de seres humanos e introduzi-la em um filme
cristão, pois falar desse assunto não é nada fácil. Palmas para Lisa Arnold!



No elenco temos
primeiramente Loretta Devine, de ‘Todo Mundo Odeia o Chris’ e ‘Morte no
Funeral’, como Aggie. Sua protagonista é uma mulher corajosa, com princípios
que evidenciam sua fé ao crer que não importa onde suas netas estejam, Deus
está as guiando. Destaque para ela! Foi a melhor dentre as atuações. Em seguida, temos Kevin Sorbo interpretando
dois personagens: Jack, o malvado pai e Richard, tio das garotas. Um possui a
personalidade que o outro não teve e isso também foi algo interessante: o
embate familiar entre irmãos que embora distantes, têm suas diferenças. Já a jovem atriz Abigail Duhon faz o papel de Elle, garota que até
metade do filme não fazia ideia da crueldade em que seu pai estava prestes a
submetê-la, pelo menos por pouco tempo. Ademais, enquanto o 
restante do elenco que conta com Alan Powell, Cynthia Gibb e Madelon Curtis foi verossímil e sem defeitos a apontar, fecho com “chave de ouro” destacando Cassidy Gifford na pele de Skye, adolescente que depois de todo o mal que lhe causaram, encontra-se completamente deprimida. Portanto, a sua protagonista foi capaz de criar certa empatia
com o público, nos fazendo torcer por ela e para que um dia consiga
enfim se libertar da prisão em que vive.

Com relação ao roteiro, foi
bem ajustado; desde o primeiro minuto somos atraídos pelo enredo e ficamos presos
nos eventos seguintes até o comovente final. Toda a emoção que ele traz também é passada ao espectador através da lindíssima trilha sonora! Com músicas compostas por Jay Weigel, suas faixas só estão atrás da linda música que toca em ambos trailer e filme: ‘Burn Bright – You Were Made to Shine’, da cantora Natalie Grant; uma
canção muito tocante. 
Em suma, aconselho-o para todos os públicos no geral e especialmente para os fãs de filmes gospel: corram ver esse filme! Não o percam por nada. Talvez vocês sejam pegos de surpresa devido ao contexto abordado pela película, mas isso não será motivo para deixarem de admirar a performance de cada personagem no desenrolar da trama. Sendo assim, está mais do que recomendado!




Nota: 9

Título Original: Caged No More


Direção: Lisa Arnold


Elenco: Loretta Devine, Kevin Sorbo, Abigail Duhon, Alan Powell, Cassidy Gifford, Cynthia Gibb, Debra Wilson, Emma Graves, Christos Vasilopoulos, Dallas Lovato, Stella Allen, George Kosturos, Jay Amor, Danielle Beckwith, Madelon Curtis.


Sinopse: Aggie Prejean é avó de Skye e Elle. Ela está desesperada a procura das suas netas que foram sequestrados pelo pai, que levou as crianças ao exterior para serem vendidas como escravos para ele conseguir liquidar uma dívida de drogas. Para ajudá-la na busca, Aggie pede a ajuda do tio das garotas e do seu filho Wil, um ex-membro das Forças Especiais.

Trailer:


BÔNUS:


Clipe da Música: ‘Burn Bright (You Were Made to Shine)’ – Natalie Grant
(com letras):


Mais imagens do filme:

Gostou? Não curtiu? Deixe seu comentário!

Deixe uma resposta