Crítica: O Som do Coração (2007 Kirsten Sheridan)


Filme: O Som do Coração (August Rush)
Gênero: Drama
Direção: Kirsten Sheridan
Ano: 2007

“Evan (Freddie Highmore) é o resultado do
encontro casual entre um guitarrista e uma violoncelista. Crescido em um
orfanato e dotado de um dom musical impressionante, ele se apresenta nas ruas
de Nova York ao lado do divertido Wizard (Robin Williams). Contando apenas com
seu talento musical, Evan decide usá-lo para tentar reencontrar seus pais.”

Há um tempo – a bem da verdade, há muito
tempo – eu fui incumbido a fazer uma crítica deste filme. Uma série de fatores
impossibilitou-me de cria-la de imediato. Mas enfim, peço minhas sinceras
desculpas para com meus companheiros e leitores do blog e aqui estou eu para
deliberar o filme e chegar à crítica.


O
Som do Coração
trata-se de um filme que dividiu os meus
pensamentos e fez-me travar uma luta interna, tentando chegar a uma boa
conclusão com relação ao que vi. Primeira e obviamente o assisti e quase fiquei
diabético de tanta doçura que o filme dissipa. Ah, estou falando isso no bom
sentido, porque a doce e encantadora atuação do jovem Freddie Highmore como
Evan deixa qualquer machão sorrindo como um besta ao longo do filme. O filme
convoca boas mensagens, mas aí está a pedra fundamental que me fez ficar
relutante com relação ao O Som do
Coração.



Por que tantos clichês e, sobretudo, qual o
intento de fazer uma obra explicitamente ficcional transmutar-se forçadamente
em algo realista? O filme é uma fábula romântica, certamente. Evan é órfão e publicamente
fascinado pela música, ouvindo-a em todo o tipo de lugar, nutrindo a poderosa
esperança de que os seus pais voltarão para busca-lo. A história é intercalada
com flashbacks, portanto assim sabemos que Evan é filho do romance de uma noite
só de seus pais, ambos engajados na música embora trilhando caminhos
diferentes. A trama é toda apinhada de canções românticas; lindas, devo admitir
e não refuto o dito. O roteiro foi muito bem pensado para evidenciar vozes e,
repetidamente, fazer-nos sorrir tolamente ou, até mesmo, chorar – estou falando
sério, hein.

Mas aí surgem os clichês inerentes a
produções hollywoodianas. O filme deixa explícito o quanto à música pode mudar
a vida das pessoas, no entanto esta sentença é constantemente usada em musicais
e filmes do gênero, chegando a ser apelativo por não ser capaz de inovar
entremeio a um roteiro que oscila entre o delicioso e o cansativo. Existem
encontros e desencontros improváveis. Embora ocorram situações com resultados
que soem bastante falsos, desviando-se acentuadamente da realidade, o
desempenho de Freddie Highmore é tocante, perfeito para as mensagens de amor,
carinho, amizade e busca por suas raízes e caminhos. Já Keri Russell e Robin
Willians cumprem razoavelmente bem os seus papeis, sem destaque no filme e, por
conseguinte, nesta crítica.

 O Som
do Coração
foi indicado ao Oscar de Melhor Canção Original com Raise It Up, uma
música emocionante e digna de veemente atenção, especialmente quando degustada
na companhia de alguém querido. A direção de Kirsten Sheridan exclama sua
competência para o cargo, sobretudo no concerto final. O roteiro é apinhado de
dramas, por isso, decerto, quem o assisti está sujeito a debulhar-se em
lágrimas.

Por fim é um filme simpático
e interessante. É daqueles filmes para assistir na companhia das pessoas amadas
e tirar boas lições de vida concernente a trajetória de Evan. Soa piegas? Mas
se ausentarmos nossas máscaras de fortões por um momento, é fácil perceber que
a vida é ridiculamente sentimental. 







Dedicado a Tiele da Rosa Gomes.


NOTA: 8

TRAILER:


Deixe uma resposta