Crítica: A Tribo (2009, de Jorg Ihle)

Lançado por
aqui em abril de 2009, o terror ‘A Tribo’ chegou a ser bem popular na época, mas
ao mesmo tempo veio causando arrependimentos, cujos quais envolviam revoltas
das pessoas que alugaram o DVD nas locadoras (que por sinal estão entrando em
extinção, por assim dizer). Sou prova viva disso: estava vendo com meu pai e ele não
aguentou assistir nem metade, afirmando que o filme era uma tremenda marmelada.
Ressalto que concordo, mas discordo em partes. A começar pelo título: houve
tanta confusão desnecessária, ora diz que é ‘The Tribe’, ora ‘After Dusk They
Come’, até chegar em ‘The Forgotten Ones’, onde a tradução literal seria ‘Os
Esquecidos’. No fim das contas, o Brasil preferiu manter o título como ‘A Tribo’.




A história gira em torno de Liz (Jewel Staite),
jovem que está a bordo de um iate de luxo com o namorado Peter (Justin Baldoni)
e seus 3 amigos: Lauren (Nikki Griffin), Ira (Marc Bacher) e Jake (Kellan
Lutz), a caminho de uma ilha paradisíaca. Aparentemente tudo ia bem, até que
eles seguem o percurso errado e uma colisão devastadora faz com que o grupo
naufrague nas margens de uma ilha desconhecida. Perdidos nas redondezas da
selva, eles descobrem que o local estranho e ameaçador é habitado por um inimigo nada amigável.
 Um por um vai desaparecendo e até que reste o último
sobrevivente, o confronto entre caçador e caça está prestes a decidir o destino
das raças distintas. Nota-se que a trama aqui é bem ordinária, nada que já não
tenhamos visto em outra película. Do momento em que o enredo foca na diversão e
zoeira dos amigos até certos conflitos surgirem ali mesmo, em alto-mar, tudo
bem. O problema foi quando ocorreu o acidente. A própria fotografia foi
estranha nessa hora, ao balancear a tela e jogar o espectador na manhã
seguinte, onde já estão naufragados. O que houve ali foi o tal do ‘fade in’ e
‘fade out’, que muitos filmes ainda fazem. Penso que foi mal executada aquela
cena, pois eles já estão todos secos na praia e não ficamos sabendo onde nem
como eles conseguiram se salvar. Este talvez seja um aspecto que posso ter
encarado como negativo, mas não significa que todos assim o façam.





Com US$4.000.000 de orçamento, o filme tem um elenco aceitável e o cenário das locações é muito bonito. Entretanto, na minha
visão, 
o roteiro não causou tanta viabilidade, devido a algun furos. Mas convenhamos: todo filme tem. Além do mais, o
essencial que toda película deve ter é um roteiro com boa história, não abusar
dos efeitos visuais (existem controvérsias) e acima de tudo: não gerar
sonolência no povo. Todavia, a questão aqui foi a seguinte: ele teve uma boa
trama, que não é complexa nem cansativa e até não decepciona desde o primeiro
minuto, mas pecou ao entregar um CGI caricato em seu segundo e terceiro atos.
Já era de se esperar que devido ao baixo orçamento, algo do gênero fosse
ocorrer. Não obstante, essa talvez tenha sido a principal causa da reclamação
de parte do público: ver a estrutura corporal das criaturas da tribo e desistir
de conferir até o final. Confesso que esperei mais, sinceramente. No desfecho
que foi relativamente rápido (a duração é de 1 hora e meia), não temos sequer
uma música pra animar os créditos finais. As “letrinhas” simplesmente
sobem com o som da praia e nessa hora, imaginei no automático as várias reações
de raiva e xingamento dos espectadores incomodados… rs


Quanto às
atuações, temos pelo menos alguns rostos bem conhecidos por nós. O primeiro é
Kellan Lutz, de ‘Crepúsculo’ e ‘Imortais’, no papel de Jake, playboy que de
certa forma não sabe o motivo de estar ali presente, senão para atazanar a vida
da ex-namorada, Lauren. Ele teve uma boa performance e inclusive arranca
algumas risadas do telespectador. Já Nikki Griffin interpreta Lauren,
patricinha e típica “loira burra” da fita. Seu desempenho está
razoável, considerando que suas ações equivocadas trazem consequências
previsíveis, como em todo filme de terror/ suspense. Ela recentemente havia
terminado com Jake e está acompanhada de Ira, aqui interpretado por Marc
Bacher, de ‘A Tribo 2’ sujeito extrovertido que por incrível que pareça está no
2º filme, sem tantos detalhes a partir daqui. O que posso dizer é que seu
protagonista sofre muito em certos momentos e cenas de canibalismo nojentas são exibidas em tela. Fiquem ligados! Destaque também para Jewel Staite, de
‘Legends of Tomorrow’, que faz a personagem principal, a base para o contexto e
quem tem mais relevância na história. Ela possui uma boa química com Justin
Baldoni, de ‘Antes Que Seja Tarde’ e ‘Heroes’, ator que incorporou bem seu
personagem, ainda que não tenha convencido totalmente uma cena dramática que
envolve ele e Liz. Sendo um dos primeiros que some misteriosamente, Peter faz
com que todo mundo descubra que a ilha não é tão deserta assim. Ademais, o
resto dos coadjuvantes foi verossímil, tais como Helena Barrett, da série
‘Pretty Little Liars’ e Mohit Ramchandani, que apesar de só a sua voz ser usada,
é o produtor do segundo filme. Com relação à trilha sonora, há poucas faixas
compostas por Mams Taylor como compositor. A mais cativante foi a que toca logo
após os créditos iniciais e admito que estou procurando o nome dela até hoje,
mas não obtive êxito.

Em suma, não
diria que é o pior filme que já vi na vida, até porque já tive o desprazer de
conferir bombas piores que nem efeitos especiais tinham, era uma coisa
grotesca; vide ‘O Ataque do Dente-de-Sabre’ que aconselho novamente: passem
longe! Mesmo com todas as falhas que ele apresentou, há quem o encare tanto
como péssimo, quanto apenas mais um “trash” bacana. Segundo fontes, após o fim
das filmagens, a equipe de produção achou que tinham produzido um filme que não
coincidiria as expectativas originais e não se sairia bem. Decidiram então
refilmar o filme, intitulado ‘A Tribo 2’ com um novo diretor, novo roteiro e novo
elenco. Enfim, outro longa completamente diferente e que a meu ver, foi
superior a esse (meu pai tentou dar uma chance para a continuação; foi assistir
comigo e pelo menos aguentou até o final). Portanto fica a critério de você,
querido leitor, se deseja conferir e tirar suas próprias conclusões ou prefere
passar longe dele. Eu me arrisquei e escolhi a 1º opção.



Nota: 6

Título Original: The Forgotten Ones

Direção: Jorg Ihle

Elenco: Jewel Staite, Justin Baldoni, Kellan Lutz, Marc Bacher, Nikki Griffin, Mohit Ramchandani, Helena Barrett.
Trailer:
Mais imagens do filme:

E aí, já viu o filme? Conte pra gente o que achou!

Deixe uma resposta